Caderno Teológico

Blog do Missionário Andrew Comings

Arquivo para setembro, 2011

Dez Anos Depois

A seguinte postagem foi adaptada do meu blog em inglês:

Quando meus amigos brasileiros me perguntam sobre os eventos de 11 de setembro, 2001, tenho dificuldades em expressar as emoções que senti nesse dia.  Quem não viu “de perto” os ataques não entende.  Tambem, para o norte-americano, os sentimentos são mais fortes, mas pessoais.

Esses dias, nos noticiários, vejo muita gente perguntando “como você mudou depois dos eventos de 11 de setembro”.

Não sei se mudei muito.  Ao ver as torres caindo, foram confirmadas várias coisas que já sabia, tais como…

1. Os homens são pecadores.
2. Os homens religiosos são tão pecadores quanto aos homens não religiosos.
3. Deus é soberano.
4. A soberania de Deus é mais evidente em momentos de grande tragédia.
5. Os americanos têm uma tremenda capacidade de se unir.
6. A tremenda capacidade que os americanos têm de se unir é pouca comparada com a sua tremenda capacidade de politicagem.
7. A versão islámica de um heroi é quem pilota um avião para dentro de um prédio a fim de matar milhares de pessoas.
8. A versão americana de um heroi é quem pilota um avião para o chão a fim de salvar milhares de pessoas.
9. Não é por nada, não, mas eu prefiro a versão americana.
10. O maior Heroi do mundo se deixou ser cravado numa cruz para poder salvar milhares de americanos e árabes (e brasileiros).

Esses são meus mensamentos, déz anos depois de 11 de setembro, 2001.

Anúncios

As Cinco Solas: Sola Scriptura, Parte 3

Depois dos dois artigos sobre a superioridade e suficiência das escrituras, resta uma pergunta: porquê?

Porquê os líderes da igreja, tendo em mãos a revelação das escrituras (privilégio tido por nenhum outro grupo na história do mundo) caiem na tentação de recorrer a outras autoridades, e de buscar revelações especiais.

Creio eu que a resposta é o mesmo motivo que os fariseus colocaram as leis humanas a cima da lei de Deus. O motivo dos modernos profetas protestantes também é o mesmo dos cléricos que Lutero enfrentou na reforma.

O motivo se resume em uma palavra: controle.

Funciona assim: Se eu posso convencer o povo de que eu–ou a minha organização–possui um “link” direto com Deus, dificilmente irão desobedecer uma ordem minha.  Isso é muito mais fácil do que tentar transformar vidas pela pregação fiel das escrituras, confiando no poder do Espirito Santo.  E evita qualquer necessidade de transparência, pois quem ousa criticar o Homem de Deus?

E é até mais fácil para o povo ser liderado assim do que ter que fazer o trabalho duro de estar constantemente buscando as escrituras.

Resultado: o protestantismo brasileiro sendo levado por cada vento de doutrina (ref).  Profetas que pregam outro evangelho–longe de serem chamados “anatema”, são louvados como exemplos de pastores.  E quando um desses chegar numa determinada cidade para fazer uma campanha, os auditórios de igrejas conservadoras se esvaziam enquanto seus membros vão para ouvir ao profeta.

Basta!  A Bíblia é nossa única regra de fé e prática!  Vamos tirar o controle desses tiranos e colocar onde deve estar mesmo, hoje e para sempre: na Palavra imutável do nosso Deus.

As Cinco Solas: Sola Scriptura, Parte 2

Ontem falamos da superioridade das Sagradas Escrituras–corretamente interpretadas–sobre quaisquer outras autoridades.  Hoje iremos tratar de sua suficiência.  E se tiver uma área mais ignorada pelo protestantismo brasileiro–e, como resultado, uma área que mais tem estragado a obra de Deus aqui–é essa.

O Brasil está cheio de “profetas” e “apóstolos” que administram a “palavra que Deus lhes deu” como farmácia administra remédio.  Só que o remédio da farmácia cura (de forma geral), enquanto essas “revelações” matam.

Neste blog temos tratado das loucuras que resultam quando as pessoas chegam com “uma palavra do Senhor”.  A arrogância dessas pessoas não tem limites.  Ao compartilharem as mensagens especiais que ouviram, estão dizendo–em efeito–“você deve me ouvir porque sou espiritual ao ponto de Deus entregar especificamente a mim o que Ele quer que você faça.”

E, um povo mau e adúltera, com preguiça de fazer o trabalho de buscar às escrituras, vai acreditando e se aprofundando cada vez mais no lamaçal que é a renovação carismática. Ignoram o simples fato de que as Escrituras são suficientes para todos os aspectos da nossa fé.

E nós (me dirijo agora aos meus companheiros “conservadores”) nos preocupamos tanto com coisas extra-bíblicas (tipo: estilos de música, instrumentos, e aparências) que não oferecemos uma alternativa solidamente bíblica a essas loucuras.

Irmãos, está na hora de seguirmos o exemplo dado a nós pelos bereanos, e buscar–com muita dedicação e determinação–as escrituras.  Os muçulmanos costumam chamar os cristãos de “o povo do livro”.  Que a acusação torne a ser verdadeira quando se fala dos Evangélicos brasileiros.

As Cinco Solas: Sola Scriptura, Parte 1

A não ser que eu esteja convencido pelas Escrituras e simples razão e não por Papas e conçilios que tantas vezes se contradiziam, minha consciência esta cativa à Palavra de Deus.  Contrariar a consciência não é nem correto, nem seguro.  Não posso, nem irei me retratar.  Aqui eu fico.  Não posso fazer outra coisa.  Que Deus me ajude!

Com essas palavras, o grande reformador Martinho Lutero afirmou a autoridade da Bíblia–corretamente interpretada–sobre qualquer homem, organização, ou tradição.  A sua declaração for anatema aos ovidos dos seus examinadores, pois eles imaginavam que a autoridade eclesiástica e as tradições da igreja tivessem o mesmo peso autoritário que a Palavra de Deus.  E durante séculos eles usavam esses dois “parceiros iguais” para anular as passagens bíblicas inconvenientes.

A Bíblia como parceiro da minoria

“Adoração aos santos?  Sabemos que tecnicamente está contrário aos ensinos da Bíblia, mas a igreja e a tradição ensinam, então está tudo bem.”

“Indulgências?  Completamente anti-bíblico, mas temos o aval do Papa, então tragam as moedas!”

E a Bíblia–parceiro da minoria–ficou sendo desconhecido e esquecido.

Até que Lutero chegou com seus 95 teses e estragou tudo.  Ele afirmou–e tem sido uma pedra fundamental dos protestantes desde então–que a Palavra de Deus é superior a qualquer outra autoridade neste mundo.  “Antes seja verdadeiro, e todo homem mentiroso!”

O mundo evangelico brasileiro precisa estar constantemente batendo nessa tecla, por pelo menos dois motivos.

Primeiro, a Igreja Católica ainda exerce muita influência, e as pessoas ao nosso redor precisam ver claramente a diferença.  Precisam saber que, enquanto eles são regidos por um sistema subjetivo baseado em tradições e autoridade dos homens, nós somos regidos pela Palavra imutável do Senhor.

Segundo, existem muitas tendências romanas em nossas próprias igrejas.  É muito fácil um homem se levantar em autoridade numa igreja–tomando o lugar da Palavra.  Alguns até se auto-nomeiam “bispo” ou “apóstolo” para melhor impressionar o povo com a sua posição exaltada. E, até mais comum nos meios “conservadores”, a ata da igreja chega a ter mais autoridade e importância do que as próprias escrituras.

Irmãos, no espírito da Sola Escritura, vamos afirmar a superioridade da Bíblia sobre quaisquer outras autoridades!

As Cinco Solas: Introdução

Um artigo no blog de um colega  me fez pensar na ignorância geral que há entre os protestantes brasileiros sobre as suas raízes no protestantismo.  Quantos crentes brasileiros podiam explicar as cinco “solas” da reforma–aquelas doutrinas que formam o alicerce da nossa fé?  Na minha experiência, são poucos, e menos ainda que sabem defendé-las.  Pior, muitas igrejas ditas “protestantes” pregam doutrinas completamente opostas a essas cinco declarações históricas.

Esse pensamento me fez preparar um estudo sobre “as cinco solas”, para apresentar à Congregação Kerigma aqui em São Luís.  Estou apresentando as mensagens nas quarta-feiras, uma “sola” por semana.  Aqui no blog, porem, irei tratá-las em mais detalhe, com duas ou três entradas cada um.

Mas, primeiro, uma pequena introdução.

Para começar, as “cinco solas” são as seguintes:

Sola Scriptura (Somente as Escrituras)
Sola Gratia (Somente pela Graça)
Sola Fide (Somente através–ou mediante–a fé)
Solus Christus (Somente por Cristo)
Soli Deo Glória (A Deus somente seja a glória)

Essas frases (numa época quando todos sabiam latim) formaram a base dos argumentos de Lutero, Calvino contra as heresias da Igreja Católica.  Mas só porque eram usados no séculos 16 não quer dizer que são irrelevantes hoje.  De verdade, o argumento pode ser feito (e será feito nos posts vindouros) que sua articulação é mais importantes hoje do que nunca.

Então, fiquem ligados!  Amanhã começamos a examinar Sola Escritura.

Feliz Sete de Setembro!

Uma Carta Aberta à Rede Globo

Querida Rede Globo,

É com grande admiração que observo o seu esforço recente de fazer novelas baseadas em diversas religiões do mundo.  Essa nova meta de diversidade e respeito às crenças mais dispersas tem resultado em novelas que cantam os louvores de sistemas de fé tais como islamismo, hinduismo, espiritismo–até o judaismo.

E nesse espírito de inclusão, não posso deixar de acreditar que, no futuro próximo, haverá uma novela mostrando as qualidades positivas de uma crença até então ignorado pelos seus produtores.

Me refiro, é claro, ao cristianismo do ramo protestante.

Admito que, aqui no Brasil, o protestantismo talvez seja mal representado por alguns grupos.  Mas confio na sua capacidade de ignorar esses excessos e ver o lado bom da religião de Lutéro e Calvino–bem como foram capazes de ignorar o terrorismo para ver o lado bom da religião do Osama.

Tenho certeza que tal novela já esteja no planejamento, pois qualquer outra explicação pela falta de uma novela “crente” até agora daria a impressão que a Rede Globo esteja propagando algumas religiões e ignorando outras.  E isso seria completamente oposto aos valores da Rede Globo de Comunicação.

Mas, caso seus produtores–por puro esquecimento, é claro–ainda não pensaram numa novela com esse tema, gostaria de sugerir alguns títulos para a sua consideração:

Morde e Expulsa

Uma exposição dos efeitos do pecado nas vidas das pessoas–com uma personagem que descobre a graça de Deus no meio da desmoralização.  Posso até imaginar a abertura, com desenhos de maçãs e serpentes.

Irmãos Coragem

Uma linda novela de época onde os membros de uma pequena congregação batista enfrentam a perseguição da igreja católica nos anos trinta.  Sei que o título já foi usado, mas não consegui pensar em outro melhor.

Cinco por Cinco

Onde o protagonista descobre as cinco “solas” da reforma, deixando elas transformar a sua vida.

O Lado dos Anjos

Uma novela que explora as vidas de um cientista criacionista, e seu grande rival, um evolucionista.  É importante que o criacionista seja apresentado como um ser racional e bondoso, enquanto o evolucionista é um cretino preconceituoso e malvado–isso para equilibrar como os dois são apresentados em todos os outros programas que tratam deste assunto.

O Protestante

Como um jovem protestante lida com a vida na universidade, enfrentando professores e colegas que procuram derrubar sua fé.

Caminho dos Índios

Uma jovem missionária vai para a selva amazónica a fim de evangelizar aos índios.  Ela é perseguida pela FUNAI, mas consegue vencer pela sua fé e determinação.  (sugestão de elenco: Mariana Ximenes no papel principal)

Essas são as minhas ideias.  Espero que sejam úteis.

Agradecido pela atenção,

Andrew Comings