Caderno Teológico

Blog do Missionário Andrew Comings

Arquivo para Uncategorized

Os Primeiros Batizados da IBR Ebenezer

No sábado, dia 11 de agosto, realizamos o primeiro batismo da IBR Ebenézer.  Cinco pessoas obedeceram à ordem de Cristo e foram batizados nas águas conforme diz o Novo Testamento.  Nossos parabens aos batizados: Jadson, Maria, Rosa, Wilton, e Michael!  O batismo foi realizado juto com a Igreja Batista Regular Boas Novas, na comunidade de Bom Gosto (perto de Morros, MA), onde tambem conduzimos uma obra missionária.  Deus estava claramente no control da situação, desde o árco-iris na hora dos batizmos, até no clima e a volta da energia elétrica na hora do culto.

A Ele seja toda a honra e glória, para todo o sempre, AMEN!

ImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagem

Anúncios

Este é o novo …

Este é o novo blog da Congregação Batista Regular Ebenézer, localizada no Rio São João, Maranhão.  Aqui encontrarão links interessantes, notícias sobre o trabalho, e outras coisas interessantes.  

Para começar, você pode visitar o blog do Pr. André.

Esperamos a sua presença na nossa congregação em breve!

Este é o novo …

Este é o novo blog da Congregação Batista Regular Ebenézer, localizada no Rio São João, Maranhão.  Aqui encontrarão links interessantes, notícias sobre o trabalho, e outras coisas interessantes.  

Para começar, você pode visitar o blog do Pr. André.

Esperamos a sua presença na nossa congregação em breve!

Sejam Bem Vindos

Este é o novo blog da Congregação Batista Regular Ebenézer, localizada no Rio São João, Maranhão.  Aqui encontrarão links interessantes, notícias sobre o trabalho, e outras coisas interessantes.  

Para começar, você pode visitar o blog do Pr. André.

Esperamos a sua presença na nossa congregação em breve!

Porque Deus Colocou Isso na Bíblia?

Na nossa congregação aqui em São Luís, estou fazendo uma série de estudos no livro de Gênesis.  Ontem, chegamos ao capítulo 9, de 20 a 29.

Para resumir a história deste capítulo, após o dilúvio, Noé fica bébado e nu na sua tenda.  Seu filho Cam tira onda, e os outros irmãos ficam horrorizados e tomam medidas para proteger a dignidade do pai.

Ao acordar, Noé pronuncia uma maldição no filho Cam, e no neto Canaã, e uma bênção nos outros dois filhos.

E minha pergunta, ao chegar nesta passagem, sempre foi

O que isso tem a ver?

Como falei para nossa congregação ontem, creio que tem três chaves para a gente entender este texto:

1. O Autor  É importante entender que Deus usou Moisés para escrever esta porção de Sua palavra–e que não foi por accidente.

2. O Contexto  A audiência original deste texto era o povo de Israel, prestes a entrarem na terra prometida.  Ao enterpretar este texto, não podemos esquecer este fato.

3. A Pessoa de Canaã  O neto de Noé foi incluido na maldição–e de fato virou a personagem principal desta maldição.

Levando esses três fatores em consideração, de repente o propósito deste texto fica claro.  Ao entrarem na terra prometida, os israelitas iam encontrar os então habitantes da mesma, os cananeus–descendentes de Canaã (veja Gênesis 10:15-19 e Éxodo 33:2).  Inspirado pelo Espírito Santo, Moisés relata essa história com dois propósitos:

1. Uma Advertência Se o povo de Deus se descuidar (do jeito que Noé se descuidou), os inimigos de Deus iriam levar vantágem (do jeito que Cam levou vantágem de seu pai).  E, de fato, foi isso que aconteceu.  O livro de Juízes é o triste relato do relaxamento do povo de Deus, e os inimigos de Deus (descendentes de Canaã) levando vantagem.

2. Um Encorajamento Ao relatar a maldiçao que Noé pronunciar sobre Canaã, Moisés estava comunicando ao povo de Israel que o destino dos seus inimigos já foi selado.  Seriam derrotados e reduzidos ao escravidão.  Quando o povo saia para a batalha contra os cananeus, já poderiam ter certeza da vitória.

E, como falei para a nossa congregação, para nós hoje, ficam os mesmos dois propósitos.

1. Uma Advertência Se nós nos descuidarmos, nosso inimigo vai levar vantagem.  Em I Pedro 5:8, lemos estas palavras:

Tende bom senso e estai atentos.  O Diabo, vosso adversário, anda em derredor, rugindo como leão que procura a quem possa devorar.

Cabe a nós nos manter alertas e vigilantes através da meditação na palavra, e da oração.

2. Um Encorajamento Nosso inimigo tambem já foi derrotado.  Na cruz, quando Cristo bradou “Está consumado”, isso significou a derrota de Satanás e seus exércitos.  E então, enquanto saimos à batalha, podemos ter a certeza que estamos efrentando um inimigo derrotado.

Dez Anos Depois

A seguinte postagem foi adaptada do meu blog em inglês:

Quando meus amigos brasileiros me perguntam sobre os eventos de 11 de setembro, 2001, tenho dificuldades em expressar as emoções que senti nesse dia.  Quem não viu “de perto” os ataques não entende.  Tambem, para o norte-americano, os sentimentos são mais fortes, mas pessoais.

Esses dias, nos noticiários, vejo muita gente perguntando “como você mudou depois dos eventos de 11 de setembro”.

Não sei se mudei muito.  Ao ver as torres caindo, foram confirmadas várias coisas que já sabia, tais como…

1. Os homens são pecadores.
2. Os homens religiosos são tão pecadores quanto aos homens não religiosos.
3. Deus é soberano.
4. A soberania de Deus é mais evidente em momentos de grande tragédia.
5. Os americanos têm uma tremenda capacidade de se unir.
6. A tremenda capacidade que os americanos têm de se unir é pouca comparada com a sua tremenda capacidade de politicagem.
7. A versão islámica de um heroi é quem pilota um avião para dentro de um prédio a fim de matar milhares de pessoas.
8. A versão americana de um heroi é quem pilota um avião para o chão a fim de salvar milhares de pessoas.
9. Não é por nada, não, mas eu prefiro a versão americana.
10. O maior Heroi do mundo se deixou ser cravado numa cruz para poder salvar milhares de americanos e árabes (e brasileiros).

Esses são meus mensamentos, déz anos depois de 11 de setembro, 2001.

As Cinco Solas: Sola Scriptura, Parte 1

A não ser que eu esteja convencido pelas Escrituras e simples razão e não por Papas e conçilios que tantas vezes se contradiziam, minha consciência esta cativa à Palavra de Deus.  Contrariar a consciência não é nem correto, nem seguro.  Não posso, nem irei me retratar.  Aqui eu fico.  Não posso fazer outra coisa.  Que Deus me ajude!

Com essas palavras, o grande reformador Martinho Lutero afirmou a autoridade da Bíblia–corretamente interpretada–sobre qualquer homem, organização, ou tradição.  A sua declaração for anatema aos ovidos dos seus examinadores, pois eles imaginavam que a autoridade eclesiástica e as tradições da igreja tivessem o mesmo peso autoritário que a Palavra de Deus.  E durante séculos eles usavam esses dois “parceiros iguais” para anular as passagens bíblicas inconvenientes.

A Bíblia como parceiro da minoria

“Adoração aos santos?  Sabemos que tecnicamente está contrário aos ensinos da Bíblia, mas a igreja e a tradição ensinam, então está tudo bem.”

“Indulgências?  Completamente anti-bíblico, mas temos o aval do Papa, então tragam as moedas!”

E a Bíblia–parceiro da minoria–ficou sendo desconhecido e esquecido.

Até que Lutero chegou com seus 95 teses e estragou tudo.  Ele afirmou–e tem sido uma pedra fundamental dos protestantes desde então–que a Palavra de Deus é superior a qualquer outra autoridade neste mundo.  “Antes seja verdadeiro, e todo homem mentiroso!”

O mundo evangelico brasileiro precisa estar constantemente batendo nessa tecla, por pelo menos dois motivos.

Primeiro, a Igreja Católica ainda exerce muita influência, e as pessoas ao nosso redor precisam ver claramente a diferença.  Precisam saber que, enquanto eles são regidos por um sistema subjetivo baseado em tradições e autoridade dos homens, nós somos regidos pela Palavra imutável do Senhor.

Segundo, existem muitas tendências romanas em nossas próprias igrejas.  É muito fácil um homem se levantar em autoridade numa igreja–tomando o lugar da Palavra.  Alguns até se auto-nomeiam “bispo” ou “apóstolo” para melhor impressionar o povo com a sua posição exaltada. E, até mais comum nos meios “conservadores”, a ata da igreja chega a ter mais autoridade e importância do que as próprias escrituras.

Irmãos, no espírito da Sola Escritura, vamos afirmar a superioridade da Bíblia sobre quaisquer outras autoridades!